top of page

Rede Petrotec ES promove oficinas de tecnologia social premiada para grupos de artesanato

O projeto Rede Petrotec ES oferece aos seus beneficiários oficinas e capacitações. Realizada em Marataízes nos dias 17 e 18 de outubro, e em Linhares nos dias 02 e 03 de setembro, a Oficina Cores da Terra uniu artesãos em torno de uma técnica econômica e sustentável.


Cores da Terra é uma tecnologia social criada a partir de um projeto homônimo, introduzido no Estado do Espírito Santo em 2007. A proposta é resgatar e aperfeiçoar técnicas antigas que sejam simples, econômicas e sustentáveis a partir da produção de tinta com apenas terra, cola e água. Reconhecido em 2009 como vencedor do Prêmio FINEP de Inovação, o Cores da Terra agora é levado para capacitar artesãos pelo projeto Rede Petrotec ES, realizado pela Fundação de Desenvolvimento e Inovação Agro Socioambiental do Espírito Santo, Fundagres Inovar, em parceria com a Petrobras.


As oficinas, que já contemplaram grupos de artesanato de Marataízes, Itapemirim e Linhares, vão ao encontro do objetivo do projeto de estabelecer uma rede interinstitucional de formação e informação para o desenvolvimento de organizações associativas de diversos segmentos. Com capacitações técnicas, criação de marca e apoio a eventos e outras iniciativas, o projeto busca aprimorar de produtos e processos, ampliando, assim, os mercados e a renda dos integrantes da Rede.

Imagem 1) Membros da Artesul e da Aproami mostram os resultados da oficina em Marataízes;

Imagem 2) Pintura em telha produzida na oficina de Marataízes;

Imagem 3) Produtos da Oficina em Pontal do Ipiranga, Linhares - ES.


Cristalizando o encontro dos objetivos da oficina e do projeto, Glaucia Mirandola, presidente da Associação das Artesãs de Boa Vista do Sul (Artesul) comemora o sucesso da iniciativa. Todos os artesãos do grupo produziram peças (ver imagem acima) e já estão planejando a utilização da técnica para expor no próximo evento de Boa Vista. A artesã ainda ressalta as múltiplas cores da região, vindas das terras da falésia, que surpreenderam até mesmo a professora da oficina. Maura Bessi, presidente da Associação dos Produtores de Artesanato do Município de Itapemirim (Aproami) complementa que os novos aprendizados ajudam a agregar valor às suas peças, valorizando a matéria local com um diferencial em seu trabalho. Para Rita de Cássia Spagnol, presidente da Associação de Desenvolvimento Econômico e Social dos Artesãos do Pontal do Ipiranga (Adesapi), participar da oficina promovida pelo

Rede petrotec ES também foi muito importante para o desenvolvimento de novos trabalhos.


As aulas são ministradas por Adelk Moraes, artesã que já ensina a técnica desde 2008. Ela conta que as pinturas com base de terra podem ser feitas sobre barro, tela, madeira, telha, paredes ou MDF. A variedade e qualidade das tintas impressionam. Três tipos de solo podem ser considerados as cores primas desse tipo de tinta: avermelhado, amarelado e branco. Deles, contudo, é possível chegar a combinações infinitas. O baixo custo, a sustentabilidade do processo, a paleta possível a partir dessa mistura e o

potencial de educação ambiental junto ao ensino dessa tecnologia social demonstram a riqueza do Cores da Terra, originalmente desenvolvido em parceria entre o Instituto Capixaba de Pesquisa Assistência Técnica e Extensão Rural (Incaper) e o Departamento de Solos da Universidade Federal de Viçosa (UFV).


O intuito do Rede Petrotec ES é que, tanto através da experiência da oficina quanto da

incorporação da técnica, o desejo de Rita se torne cada vez mais próximo: “que o artesão

possa viver apenas da produção de seus artesanatos; e que o artesanato, deixe de ser apenas um complemento de renda”.


59 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page