top of page

Visita a prefeituras marca início do projeto Rede PetroTec ES

Atualizado: há 3 dias


Em visita aos municípios de Marataízes e Itapemirim, membros do projeto Rede PetroTec ES discutem o fortalecimento de arranjos produtivos integrados às demandas municipais.


Nesta semana, foi dado o pontapé inicial para as ações do projeto Rede PetroTec ES, com visita aos municípios atendidos de Marataízes e Itapemirim. Neste encontro inicial, foi apresentado a representantes locais do executivo o projeto executado pela Fundação de Desenvolvimento e Inovação Agro Socioambiental do Espírito Santo, Fundagres INOVAR, e financiado pela Petrobras.


Em Marataízes, a reunião com os secretários municipais das pastas de Governo, de Pesca, de Agricultura, Agropecuária e Abastecimento, além de representantes da Secretaria Municipal de Assistência Social, Habitação e Trabalho, buscou a possibilidade de aproximação com as demandas do município nos diferentes setores. Um exemplo seria o desenvolvimento de atividades que atendam a comunidade de Pontal, fortalecendo a aquicultura de peixes ornamentais e a produção e marca do renomado abacaxi de Marataízes.


Já em Itapemirim, além da apresentação da Rede PetroTec ES ao prefeito Antônio Rocha Sales, foi feita uma visita a um grupo de marisqueiras e discutidas ações para diminuir o esforço de pesca, por meio da estruturação de medidas de agregação de valor ao pescado, indo ao encontro do objetivo central do projeto, de geração de rendas alternativas.



Geração de renda a partir do desenvolvimento de setores produtivos

Depois de mais de dois anos desde o primeiro lockdown decretado em diversas localidades do país em decorrência do novo coronavírus, as consequências ainda podem ser sentidas. Em 2022, de acordo com o 2º Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia de Covid-19 no Brasil, há 14 milhões de novos brasileiros em situação de fome no último ano, e mais da metade da população, 58,7%, convive com algum grau de insegurança alimentar. Da mesma forma, a desigualdade escalonou ao maior patamar dos últimos dez anos, segundo o levantamento realizado pelo Instituto Mobilidade e Desenvolvimento Social (IMDS).


Frente a esse cenário, surgem iniciativas que visam contribuir para a geração de rendas alternativas e para o fortalecimento da segurança alimentar e nutricional. É o caso do projeto Rede PetroTec ES, realizado pela Fundação de Desenvolvimento e Inovação Agro Socioambiental do Espírito Santo, Fundagres INOVAR, e financiado pela Petrobras. As atividades abrangem diferentes frentes ao longo de dois anos de projeto e beneficiam os setores produtivos agropecuários, aquícolas, pesqueiros e do turismo de comunidades de cinco municípios do estado, como mostrado no quadro abaixo.


Município

Comunidades

Anchieta

Maeba

Itapemirim

Itaoca e Itaipava;

Linhares

​Regência, Povoação, Degredo, Pontal do Ipiranga e Cacimbas

Marataízes

Pontal

Serra

​Jacaraípe e Nova Almeida

As ações de assistência técnica e extensão rural e pesqueira (ATER e ATEPA) beneficiarão cerca de 24 grupos produtivos, totalizando 240 agricultores familiares, pescadores, quilombolas, assentados, jovens, mulheres e empreendedores. Dentre as ferramentas utilizadas para aprimorar os setores produtivos compostos por estes grupos, estão a realização de pesquisas de mercado, disponibilização gratuita de plataforma eletrônica Campo Livre para comercialização dos bens produzidos, desenvolvimento de mapas virtuais para divulgação das áreas de produção integrada ao turismo, além de assessorias técnica e de marketing e implantação de Unidades de Referência e Protótipos que incentivem o uso dos conceitos agroecológicos e energias renováveis, além do aproveitamento de resíduos orgânicos.


Ao reestruturar os setores produtivos agropecuários, aquícolas, pesqueiro e do turismo aliados à valorização de etnia, gênero, geração e inclusão produtiva, criativa e digital o projeto formaliza uma Rede Interinstitucional de Apoio à Comercialização dos Produtos e Serviços da Agricultura Familiar do Estado do Espírito Santo, levando desenvolvimento socioambiental e econômico por meio da adequação e reaplicação de tecnologias sociais e pelo uso de práticas sustentáveis, plataformas digitais e inovação.


O resultado esperado é que as comunidades selecionadas alcancem a transformação social e o desenvolvimento socioambiental e econômico e sigam com autonomia, de forma mais visível para a população local e turistas, mais integrada à economia local e mais próxima da administração pública.


Acompanhe as atividades por aqui e por meio do nosso Instagram.

2 visualizações0 comentário
bottom of page